meu pé de roseira, o bálsamo da minha solidão, meu coração à flor do peito, embriagada no ardor da Poesia, vou-me revelando e cumprindo a minha missão de ser Poeta. TODOS OS POEMAS REGISTADOS NO I.G.A.C.

25
Out 13

embala-a o vento da colina

está o corpo habituado

cresceu e a cada passo dado

um amor frustrado,

deita-se na cama

já ninguém a ama

 

entrega a existência

à eternidade

da vida não leva saudade.

 

romã

 

publicado por natalia às 12:38

24
Out 13

na garganta um nó

que não desata

não é de angústia,

talvez ansiedade?!

ou uma saudade resignada

que me fala da vida inteira

com ardor

e faz o favor

de ser minha companheira

fica à espera que eu entenda

que o passado é passado

só ela sabe quem eu sou

vai estar sempre a meu lado

em mim mora

a toda a hora, com pés

de veludo...

e eu... tão longe de tudo.

 

romã

publicado por natalia às 23:42

sei da terra germinada

sei do chão de onde vim

sei da razão de tanta mágoa

sentida por mim

sei do inverno rigoroso

sei da dor e da cantiga

sei do trabalho rude e custoso

sentido p'la gente antiga

sei da chuva dávida divina

sei do verão do pó na estrada

sei de tudo de menina

lembro com a voz embargada

 

sei do descanso ao domingo

sei do copo na taberna

o bem e o mal distingo

pois a vida em mim inverna

sei do recolher do trigo

sei do regar da horta

minha terra meu abrigo

por te visitar ando morta

tu que me viste nascer

numa manhã qualquer

numa lonjura sem fim

quase ontem para mim

viste-me partir mulher

 

de ti nada mudaria

adeus até qualquer dia.

 

romã

publicado por natalia às 17:13

meus sonhos

são vôos de abelha

são raízes sem chão

águas que o sol espelha

febre da memória

satisfação, ilusão?!!!

 

já deles não reza a história...

 

 

romã

publicado por natalia às 00:19

22
Out 13

eu sou quem sou

nem mentira nem verdade

tenho origem na recordação

e a saudade sempre à mão

trago o coração insatisfeito

e amor no peito

não mais, nem menos

sou suavidade,

sou tempestade

não renego o passado

sou uma noite que ainda

não findou

ou um dia prestes a morrer desolado

 

sou um lenço branco agitado

sou presente e futuro

mas sou essencialmente passado.

 

romã

publicado por natalia às 15:00

o poeta que vive dentro

de mim

traz o silêncio na boca

de noite e de dia

a esperança nos olhos

no coração a melancolia

contando o tempo

e a idade

relembrando o fulgor

da mocidade

 

o poeta em mim 

recordará pra sempre

a vida já vivida

a lágrima vertida,

o sonho de fantasia

os passos velhos

e a dor que o abatia

ao ver-se nos espelhos.

 

romã

publicado por natalia às 14:58

nos meus olhos lês

a entrega do coração

a alegria da rendição

a cercar-me o amor

a necessidade de afecto

o fogo ateado

no ar o sonho e o

projecto que demandam

sempre novos sonhos

a vontade

de recomeçar

de descobrir novos instantes

a enlaçar sentimentos

a contornar a solidão

 

aqui, agora, ou em qualquer

ocasião

na alma o desejo de dirigir-te

palavras com paixão.

 

romã

 

 

publicado por natalia às 00:34

21
Out 13

levem-me tudo

deixai-me a esperança

límpida, azul, a anunciar alegria

deixem-me olhar distante

viver o desejo que exala do meu peito

este amor fecundante

nem que seja por mais um dia.

deixem-me acordar

como quem sonha,

que o sonho seja eternidade

deixai a saudade

no meu corpo abrasado

levem o rancor

que fique o amor

no meu coração arrebatado.

 

vá a escuridão, seja a luz a ficar

deixem-me a alegria de ser

levem o esquecimento de não ser

que os ventos deixem o sol brilhar

quero adormecer menina

raio de sol na campina.

 

romã

 

 

publicado por natalia às 00:18

20
Out 13

doces palavras eu beijo

e segredo ao teu ouvido

trazem do coração o fogo

falam do meu interior desejo

vagueiam nos meus sentidos

são como roseira que floresce

que me invade de perfume

quando o desejo em mim cresce.

 

neste cair do dia

meus sentidos são rubras brasas

minha boca é primavera

meus braços parecem asas

abertas de par em par

e minhas mãos

desordeiras à tua espera

para me entregar

logo me terás inteira

no abraço da noite.

 

romã

 

publicado por natalia às 01:54

19
Out 13

hoje coloquei lençóis de cetim

serei neles uma rainha

serei senhora de mim

ao desejo ninguém

se escusa

e rejeitar já não se usa

pus um cheirinho a lavanda

na pele dos meus seios

para agradar a quem amo

não vou olhar a meios

minha arte derramo

numa viagem de prazer

de gestos e movimentos

parecendo até tempestade

 

já me entrego, já me rendo

era tanta a saudade

que de amor me sinto morrendo.

 

romã

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por natalia às 14:41

Outubro 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


23
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO